Devilish Joy: primeiras impressões

Devilish Joy: primeiras impressões

 

Drama: Devilish Joy

Hangul: 마성의 기쁨

Diretor: Kim Ga Ram

Escritor: Choi Ji Yeon

Emissora: MBN-Dramax

Episódios: 16

Data de lançamento: 5 de setembro de 2018

Dias de reprodução: Quartas e quintas às 23:00

Gênero: Romance, perda de memória

Língua: Coreana

País: Coréia do Sul

 

Sinopse

Gong Ma Sung (Choi Jin Hyunk) é o sucesso da companhia Sunwoo e ele é especialista na área de nervos cranianos. Ele sofre um acidente de carro e passa a sofrer de perda de memória recente, onde sua memória só dura por um dia.

Ele conhece Joo Gi Bbeum (Song Ha Yoon), uma cantora que costumava ser popular, mas teve seu futuro atrapalhado por um grave incidente.

Os dois se apaixonam e precisam lidar com o fato de que, no dia seguinte, Gong Ma Sung não se lembra de Joo Gi Bbeum realmente, apenas através do que escreveu.

 

Personagens principais

Choi Jin Hyuk como Gong Ma Sung

Song Ha Yoon como Joo Gi Bbeum

Lee Ho Won (Hoya) como Sung Ki Joon

Lee Joo Yeon como Lee Ha Im

 

Devo começar dizendo que eu vi os primeiros trinta minutos de forma picada de tantas pausas que fiz para ter chiliques internos.

Vai rolar spoiler, embora eu ache que os teasers que saíram dão spoilers o suficiente.

Eu resolvi basicamente dissecar o primeiro episódio. Não ele por completo e sem focar em determinados elementos que vão ser claramente importantes para o resto da história. Na verdade, eu pretendo apenas comentar sobre partes da história que me chamaram a atenção.

Ah! E quero dizer que eu pausei logo no começo porque não conseguia lembrar de jeito nenhum de que outro drama eu conhecia a atriz principal. Tudo o que eu sabia é que aquele jeitinho meigo de falar era muito familiar e foi aí que em uma rápida pesquisa eu me toquei de quem era ela.

Lembram de Fight For My Way? Pois bem, a atriz é a mesma e ela fez a personagem Baek Seol Hee.

 

Sobre Joo Gi Bbeum

Passado esse pequeno desespero de não lembrar o que diabos ela tinha feito, eu resolvi me focar naquele começo super maluco e, confesso que de início achei que a principal ia ser uma riquinha mimada insuportável, mas ela se provou o contrário.

Joo Gi Bbeum sabe o que quer e, embora tenha um pouco de mimo/estrelismo, ela deixa claro que não gosta das investidas que um dos caras dá durante ou fora do trabalho.

E Gi Bbeum não para por aí. Ela é um tanto doidinha das ideias, mas acho que no fundo só mostra o quão “faço o que bem entender” ela tenta se demonstrar ser. Só que isso tem consequências.

Ela sai por aí em uma cidade que não conhece sem falar um pingo de inglês, fica com dor de barriga e acha que todos os coreanos devem saber quem ela é simplesmente por ser famosa.

Mas até aí, tudo bem. Aí ela conhece Ma Sung, causa uma confusão, assina (autografa) o contrato do cara e quase não chega a tempo de ir ao banheiro — admito que aquela coisa que ela tava tomando no começo do drama não parecia assim tão apetitosa.

Joo Gi Bbeum cantora é uma personagem interessante, apesar de você não ter tempo de conhecê-la como gostaria.

 

Sobre o Ma Sung

Embora meu foco tenha sido muito mais na Gi Bbeum, eu também consegui pegar boas vibrações do protagonista.

De início eu achei que ele fosse ser aquele tipo rico escroto que trata todo mundo feito lixo, mas me enganei.

Ma Sung não teve intenção alguma de ajudar Joo Gi Bbeum sem algo em troca e é até compreensível porque o modo como eles se conhecem naquele momento é bem esquisito.

Porém, quando ela precisa de ajuda, ele não hesita. E isso acontece em todas as vezes. Talvez por pura simpatia, por achá-la uma fofa, por achar que precisa ajudar ou simplesmente porque ele se apaixonou. Não importa, ele estava lá.

Ele se mostrou um personagem fofo, gentil, que gosta de fazer brincadeiras e que é bem direto no que quer. Isso é algo bem semelhante dos dois: eles são bem confiantes no que desejam e não ficam correndo em círculos.

 

Clichês

Esse drama por si só já estava cheio de clichês logo no começo, mas quem não gosta de um bom clichê quando bem desenvolvido né?

Começa que eles se encontram daquela forma típica em um romance, onde eles se olham e parece que o mundo deu uma parada, tudo fica meio câmera lenta até, do nada, as coisas voltarem ao seu foco.

Mas só isso não era suficiente, então eles foram lá e colocaram mais uma clássica cena onde o principal salva a mocinha.

Só que não era suficiente, sabe? E isso me deixou maluco porque, mais ou menos em 20 minutos de episódio, Joo Gi Bbeum foi salva TRÊS vezes pelo cara que tinha acabado de conhecer.

O dia foi feito pra dar errado pra coitada da protagonista.

Mas não pense que não piora (ou melhora, depende do ponto de vista).

Não satisfeitos, ela acaba perdendo um sapato (sim, isso é sério) e ele precisa emprestar os tênis (clássico), mas obviamente ficam largos (clássico parte 2) e ele compra sandálias novas para ela (clássico parte 3!) enquanto ela dormia no lobby do hotel (totalmente aleatório).

E está tudo ótimo. Fazia um bom tempo que eu não pegava um drama com tanto clichê logo no começo do primeiro episódio. Não é como se esse momento conto de fadas não fosse gostosinho de assistir.

Na verdade, é até bem fofo porque a Gi Bbeum é um amor de pessoa e eu gostei que apesar de tudo ela não fica como mocinha ingênua cheia de pudores. Ela fica envergonhada ou encabulada, mas as reações dela até que são bem agradáveis. Sei lá, ela parece mais real mesmo em situações tão típicas de um drama.

 

Rapidez na primeira parte

Só que existe uma coisa que me incomoda um pouco e essa coisa é a rapidez com que as coisas acontecem.

Eu entendo, um episódio de um drama, normalmente, tem uma hora de duração. A gente sabe que muita coisa pode acontecer durante 60 minutos, mas ali eu estava basicamente na metade do episódio e mais do que muita coisa já havia acontecido.

Pra mim foi tudo muito rápido e a definição de amor à primeira vista estava ali naquelas cenas.

Confesso que eu não imaginava que o Ma Sung fosse simplesmente se declarar, do além, depois de um dia de convivência. Mas aconteceu. Ele se declarou e, claro, os sentimentos eram recíprocos.

Mas aí rolou o primeiro beijo? Eu acho que não estava esperando um primeiro beijo porque normalmente a gente espera trocentos episódios por um primeiro beijo e ele sempre demora pra vir, mas daí nesse foi logo ali no primeiro episódio que eu, novamente, pausei.

Apesar de tudo, fazia sentido. Bom, se eles se gostam e queriam ficar juntos, se beijar era uma reação normal né?

Enfim. Algumas horas depois, o Ma Sung sofre o maldito acidente enquanto, em paralelo, a Gi Bbeum também está com problemas. Tudo está conectado de alguma forma, algo que é típico nos dramas também.

Não quero entrar em detalhes dos motivos que levaram Ma Sung a sofrer o acidente e tampouco o que aconteceu com a Joo Gi Bbeum a ponto da vida dela virar de ponta cabeça e a carreira promissora de cantora ir pelo ralo, afinal são parte crucial da história.

Inclusive, deixei de fora pequenos detalhes que eu acho que só assistindo para você ir encaixando e associando aos dois.

Alguns anos se passam e aí você entende finalmente porque tudo aconteceu do modo como aconteceu sabe? Foi aí que eu percebi que esse drama te passa a impressão de que será triste e que se apegar aos personagens é uma besteira porque você vai sofrer.

Mas estamos aqui para isso.

 

Conclusão

Sim, eu dei uma série de spoilers, mas é porque eu queria comentar sobre esse clichê todo que eu definitivamente não estava esperando (acho que eu precisava desabafar mesmo) quando li a sinopse.

Eu fui atraída pelo fato do Ma Sung acordar todo dia sem ter memória do dia anterior (lembrei de Como Se Fosse a Primeira Vez da Drew Barrymore inclusive) e como isso ia influenciar a vida dele.

Basicamente eu só falei da melosidade do casal logo no começo porque foi algo que me chamou a atenção. Foi uma espécie de amor à primeira vista? Sim, foi, mas ao mesmo tempo ocorreu uma atração tão natural e tão bonitinha, como se simplesmente fosse para acontecer daquele modo.

Ah! Adivinha quem tá fabuloso nesse drama (pelo menos no início)? Isso mesmo, o Hoya. Gente, o cabelo dele tá incrível e o personagem parece ser do tipo que vai dar muito trabalho, mas também vai ser bastante divertido. Gosto de ver os meninos do INFINITE (mesmo que o Hoya não faça mais parte do grupo) em papéis tão variados, como foi o caso do Myungsoo (L) em Miss Hammurabi.

 

Você pode assistir Devilish Joy no Viki.

Compartilhe

Deixe uma resposta

Fechar Menu